QS 01, Rua 210 lote 18, Águas Claras - DF, CEP: 72030-120

+55 (61) 3563-1314

 
DE OLHO NO CONSUMIDOR SAUDÁVEL

DE OLHO NO CONSUMIDOR SAUDÁVEL

     Para alinhar produção às exigências do Ministério da Saúde de redução de sódio e açúcar nos alimentos, indústria busca se adaptar ao paladar daqueles que querem dieta mais equilibrada

   
      Se por um lado a indústria alimentícia se esforça para reduzir a participação da gordura trans, sódio e açúcar na composição dos produtos processados, conforme mostrou ontem o Estado de Minas, por outro investe pesado na adição de elementos benéficos à saúde, como vitaminas, fibras e minerais. O interesse em lançar cada vez mais produtos com apelo saudável não é por acaso já que há um número crescente de brasileiros em busca de um estilo alimentar que associe praticidade à qualidade de vida. Segundo pesquisa da Mintel, empresa inglesa especializada em inteligência de consumo e produto, 66% dos brasileiros dizem que ingerem frutas e vegetais diariamente e 22% afirmam que seguem uma dieta de baixo teor de gordura.

      O resultado é a multiplicação de alimentos nas gôndolas voltados para a satisfação dessas necessidades. A pesquisa Estilos de vida saudável, também da Mintel, revelou que, nos últimos seis meses de 2012 em relação aos seis primeiros, foram lançados 22% a mais de produtos com redução de sódio, 14% a mais sem conservantes e 16% com adição de vitaminas. Sem contar o maior número de versões naturais de frutas e vegetais em embalagens prontas para o consumo. “Além de lançamentos com ênfase em menor teor de sódio, fortificados e com apelo light, é possível notar mais opções com destaque em ‘sem conservantes/aditivos’, feito com grãos integrais e contém ingredientes naturais”, observa a analista do setor de alimentos da Mintel no Brasil, Sheila Salina.

      Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Dietéticos e Especiais (Abiad), o segmento já representa 5% do setor de alimentos do país, movimentando US$ 10 bilhões em negócios em 2012, valor 25% acima de 2011 (US$ 8 bilhões). Marco Milani, representante da XTC, empresa de pesquisa que acompanha as tendências de alimentos em 39 países, garante que o Brasil está avançando e há casos inovadores neste mercado. “Hoje já existe queijo com probiótico aqui, que se trata de algo bastante arrojado”, observa. Compostos de organismos vivos, os probióticos – administrados em quantidades adequadas, com orientação profissional – são grandes aliados da flora intestinal.

     Esses são os chamados alimentos funcionais que, além de ajudar no bom funcionamento do intestino, como é o caso dos probióticos, ainda são capazes de prevenir o envelhecimento, reduzir a absorção de gorduras e combater radicais livres. “Alimentos com essas características devem ser ingeridos todos os dias. Se o consumo for interrompido, o efeito para”, orienta o nutrólogo e vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran), José Alves Lara Neto.

      Atenta Consumidora assídua de iogurtes com probiótico, a aposentada Ionice Ferreira Salgado Borges, de 62 anos, reconhece que se juntou à parcela da população que está atenta ao que consome. Desde outubro do ano passado, quando resolveu entrar para um programa de educação alimentar, a rotina mudou. “Agora fico atenta para as quantidades de sódio, açúcar e gordura indicados na embalagem e evito produtos com excesso desses ingredientes. Produtos com vitaminas já me chamam um pouco de atenção. Me preocupo também em consumir alimentos light, além de associar a alimentação com atividades físicas”, conta.


LONGO CAMINHO

     Apesar das inovações frequentes, ainda há muito que se avançar neste mercado, na avaliação da analista da Mintel, Sheila Salina. “Em mercados mais desenvolvidos, como dos Estados Unidos e Reino Unido, o que se percebe é que há oferta de opções saudáveis e não saudáveis quase que nas mesmas proporções e em preços semelhantes. Isso significa que os consumidores têm opção significativa para escolher nas prateleiras se vão ou não consumir algo saudável, diferentemente do que ocorre no Brasil”, observa.

      Por aqui, a grande barreira ainda é o preço. “Enquanto alimentos de perfil calórico ou de teor menos nutritivo são encontrados a preços baixos, aqueles que utilizam ingredientes naturais, sem conservantes ou orgânicos, são mais caros, muitas vezes posicionados como premium, e ainda não têm destaque nos supermercados, pelo menos nos mais populares”, pondera Sheila.

       Os próximos passos da indústria devem ser dados no mesmo sentido de mercados mais amadurecidos como Estados Unidos e Reino Unido. “Nesses países, há um grande número de opções de alimentos totalmente orgânicos, com ‘GMO free, que significa alimento sem alteração ou modificação genética, ‘no animal ingredients’”, afirma Sheila. “Além de muitas opções naturais com foco funcional, por exemplo, antioxidante, bom para o sistema imunológico, fortalecimento dos ossos, funcionamento do cérebro, incluindo destaque para o uso das superfoods, como a quinoa”, acrescenta.

       Entre 25 e 28 de junho serão apresentados no Brasil novos produtos inovadores durante a segunda edição do Salão Internacional de Alimentação para América Latina (Sial Brazil) e a expectativa é de que a funcionalidade e saúde sejam os principais motes dos futuros lançamentos.

       Refrigerante fortificados com minerais, fast food acompanhado por frutas, achocolatado com vitaminas. Na corrida para dar os ares de saúde que todos procuram, produtos tradicionais das empresas entraram na onda e foram adaptados para atender um consumidor cada vez mais exigente. Mas para os nutricionistas e nutrólogos, a iniciativa é uma bela maquiagem. “Não há nenhuma evidência que comprove que a vitamina presente em uma bolacha, por exemplo, tenha a mesma capacidade de atuação orgânica que aquela proveniente de uma fruta ou vegetal”, alerta o professor do Departamento de Nutrição da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Rafael Claro.

       “Um achocolatado pode até ser fortificado, mas vale lembrar sobre os níveis de açúcar presentes”, alerta a nutricionista da Clinlife, Mariana Andrade. A especialista aconselha que seja realizada uma análise criteriosa do alimento como um todo e não considerados apenas os benefícios destacados no rótulo.

       Armadilha “O iogurte que é integral, por exemplo, tem mais gordura. Mesmo contendo probióticos não é interessante a não ser que seja zero gordura ou light”, observa Mariana. Isso quer dizer que salgadinhos, biscoitos, cereais matinais, e até balas em versões fortificadas podem se tornar uma grande armadilha já que podem apresentar índices de gordura, açúcares e sódio capazes de elevar os riscos de obesidade e diabetes e sobrecarga dos rins.

       “Os alimentos enriquecidos não têm a força necessária para garantir a dose diária de cálcio ou vitamina D, por exemplo, se não forem acompanhados de fatores como bom ambiente intestinal e realização de exercícios físicos regulares”, pondera Mariana.

        O grande risco, na avaliação da especialista é que as pessoas acreditem que estão suprindo suas necessidades nutricionais com produtos processados e passem a não se alimentar corretamente. “Uma alimentação equilibrada é mais eficiente para absorção do nutriente, que está mais biodisponível para nosso organismo”, orienta a nutricionista.


EFEITO COMPROVADO

       Carlos Eduardo Gouvêa, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Dietéticos e Especiais (Abiad) reconhece que o consumo de produtos funcionais – que vão trazer algum tipo de melhoria benefício para o metabolismo – não pode ser relacionada com a prevenção de doenças, apesar de garantir uma dieta mais balanceada. “Há inclusive uma barreira de entrada nesse mercado que é o registro perante à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Para ser liberado para consumo, é preciso submeter um dossiê à agência provando as melhorias que aqueles que se propõem funcionais vão trazer para o metabolismo”, observa.

De olho no rótulo


O QUE NÃO PODE

Indicar que o alimento tem propriedades medicinais ou terapêuticas ou aconselhar seu consumo como estimulante, para melhorar a saúde, para prevenir doenças ou com ação curativa. “…previne a osteoporose”. ”…emagrece”, por exemplo.

Demonstrar propriedades que não tenham ou não possam ser demonstradas. Determinados produtos associados à imagem ou promessa de que seu consumo reduz o risco de doença cardíaca.


O QUE SIGNIFICA TER

Vitamina A

Age como antioxidante ao combater os radicais livres. Além disso, tem importante função para a visão, formação dos ossos e pele. Fundamental para o crescimento e o desenvolvimento de crianças, e para as mulheres grávidas, para permitir o crescimento do feto.


Vitamina B

As vitaminas do complexo B ajudam a manter a saúde dos nervos, pele, olhos, cabelos, fígado e boca, assim como a tonicidade muscular dos aparelho gastrintestinal. As vitaminas do complexo B são coenzimas envolvidas na produção de energia e podem ser úteis nos casos de depressão e ansiedade.


Vitamina C

Tem função antioxidante potente, que age diminuindo o estresse oxidativo. Sem a vitamina C o colágeno sintetizado é muito instável para desempenhar sua função.


Vitamina D

Regula outras vitaminas e minerais em nosso organismo, agindo como um hormônio, aumentando as concentrações de cálcio e fosfato promovendo a mineralização óssea, além de induzir a síntese de proteína fixadora de cálcio.


Vitamina E

É responsável pelo fortalecimento do sistema muscular
e reprodutor.


Fibras

Promovem um bom funcionamento intestinal, na redução dos níveis de colesterol e glicose no sangue, além de facilitarem a digestão e promovem sensação de saciedade. Atuam ainda prevenindo o câncer de intestino, em função do menor contato das substâncias cancerígenas com a mucosa intestinal.


Cálcio

Responsável pela formação dos dentes e dos ossos. O cálcio é determinante na contracção muscular e na transmissão dos impulsos nervosos. O cálcio ativa várias enzimas, sendo essencial para a coagulação do sangue assim como no transporte dos líquidos através das membranas celulares.


Probióticos

São micro-organismos que, quando ingeridos, exercem efeitos benéficos para a saúde. Esses organismos são adicionados aos alimentos, como os leites fermentados, por exemplo. Os probióticos aumentam de maneira significativa o valor nutritivo e terapêutico dos alimentos porque há um aumento dos níveis de vitaminas do complexo B e aminoácidos. Absorção acrescida de cálcio e ferro.


FONTE: Estado de Minas



Qualquer duvida contrate a nossa nutricionista para maiores informações e para uma consultoria completa dentro da sua empresa.

Michelle (61) 9272-4442

 

QS 01, Rua 210 lote 18, Águas Claras - DF, CEP: 71950-770

+55 (61) 3563-1314 / (61) 3563-4776 / (61) 3562-2064

Facebook
Realizado por Amplitude Web.